Get Adobe Flash player
Nosso Endereço:
Rua Riachuelo, 693 - Ponta Grossa - Pr
Telefone: (42) 3224-1632
E-mail: recados@iecdpg.org.br
Localize no Google Maps
Assine por e-mail:

Digite seu endereço de email para assinar este site e receber notificações de novas publicações por email.

Pedido de Oração:
Pedidos de Oração
Previsão do tempo:
Arquivo

Escalar árvores ou sentar nos ramos

Pr. Jacson Irio Andrioli

Mensagem ministrada  no culto de 15/12/2013

Estamos  próximos do dia em que se celebra o nascimento de Jesus, e encontrei um texto do Max Lucado falando da forma como José recebeu a notícia que seria pai sem mesmo ter se casado com Maria e acredito que vamos nos identificar com alguns sentimentos e decisões que ele poderia ter tomado…

Mas antes, quero te convidar a ler os versículos de Mateus 1. 18 – 25.

Quantos de vocês já subiram em árvores quando eram crianças? Qual era o seu critério de escolha pra ficar sobre um galho?

Vamos ler o texto de Max Lucado:

“José estava sentado firmemente no seu galho na árvore. Este era grosso, confiável e perfeito para servir de assento. Era tão forte que não tremia com as tempestades, nem se agitava quando os ventos sopravam. Aquele ramo era previsível e sólido e José não tinha intenção de deixá-lo. Isso até que lhe ordenaram que subisse num outro ramo.
Sentado a salvo em seu ramo, ele olhou para aquele que Deus queria que subisse. Jamais vira outro tão fino! “Esse não é lugar para um homem ir!” disse consigo mesmo. “Não há lugar para sentar. Não há proteção das intempéries. E como seria possível dormir pendurado nesse galhinho vacilante?” Ele recuou um pouco, apoiou-se no tronco e pensou na situação.
O bom senso lhe dizia que não subisse no galho. “Concebido pelo Espírito Santo? Pense bem!”
A autodefesa lhe dizia para não fazer isso. “Quem vai acreditar em mim? O que nossas famílias vão pensar?” A conveniência o aconselhava a não fazê-lo. “Bem quando eu esperava estabelecer-me e criar uma família.” O orgulho lhe recomendava o mesmo. “Se ela pensa que vou acreditar numa história dessas…”
Mas Deus lhe dissera para fazer isso, sendo essa a sua preocupação.
A ideia o aborrecia porque estava feliz na situação presente. A vida perto do tronco era boa. O seu ramo era suficientemente grande para permitir que ficasse confortável. Ele estava próximo a inúmeros outros sentadores em galhos e fizera algumas contribuições válidas para a comunidade de árvores. Afinal de contas, não visitava regularmente os doentes no Centro Médico do Ramo Norte? Não era ele também o melhor tenor no Coral do Arvoredo? E o que dizer da aula que dava sobre herança religiosa, com o título apropriado de “Nossa Arvore Genealógica”? Deus certamente não ia querer que deixasse tudo isso. Ele tinha… bem, poderia ter dito que tinha raízes no lugar.
Além disso ele conhecia o tipo de sujeito que se atira a uma aventura sozinho. Radical. Extremista. Liberal. Sempre se excedendo. Sempre agitando as folhas. Sujeitos com a cabeça cheia de ideias estranhas, procurando frutas estranhas. Os que são estáveis são aqueles que sabem como ficar perto de casa e deixar as coisas correrem.”          Max Lucado

Posso imaginar que eu e você entenderíamos José! Sabemos como ele se sentiu? Alguns de nós já estivemos no lugar onde ele estava. Já fomos convidados a arriscar e subir em outros galhos, conhecemos o frio na barriga que o desequilíbrio causa, em manter um pé apoiado em nossas vontades e escolhas e outro pé na vontade de Deus. Conhecemos muito bem as sensações que surgem quando percebemos que há mudanças no ar.

Quero te sugerir um momento de reflexão: Talvez você esteja bem no meio de uma decisão, e tomar decisões na maioria das vezes é difícil. Quer saber porque???

Gostamos de ficar em nosso ramo/galho, pois está confortável, é seguro, eu vejo quase tudo de onde estou (pois eu, quando garoto, gostava de subir em árvores para ver mais alto e mais longe), não vejo tudo, mas o que vejo já está bom.

Deus sempre quer nos levar a vivermos os seus planos e pensamentos, que são mais altos e melhores que os nossos. Eu vejo quase tudo, mas Deus quer me levar para um lugar mais alto!

José, mais alto! O menino que está no ventre de Maria é Filho de Deus!!!
E se ouvimos uma voz entre os galhos dizendo: “Preciso de ajuda!”
O que vamos fazer??? Fazer de conta que não é conosco? Deixar pra ajudar depois? Passar a responsabilidade para outro?

1.    A resposta certa é:  tome posição e ajude!
Talvez você não conseguiu perceber, mas, no texto que li de Max Lucado surgiram algumas palavras bem interessantes, vou repetí-las pra você:  Bom censo, Autodefesa, Conveniência e Orgulho.

Muitas vezes tomamos decisões e fazemos escolhas baseados nestas quatro palavras!!!

José teve bom censo, usou de autodefesa, bem como queria defender Maria, por isso a deixaria secretamente, era o mais conveniente a fazer, ele tinha orgulho e não queria deixá-lo na lama.
Pensamos da mesma forma, não é? Isso não é errado, mas também não é certo! Difícil de entender!!! Mas quando estamos diante de situações assim a melhor opção é ouvir a Deus, seguir seus planos e, como José fez, ponderou, deu tempo para Deus lhe dar uma nova instrução.

2.    Mude! Mude as atitudes, mude a forma de ver as coisas.
Pegue sua família e mude para o exterior se possível, mas faça tudo com a direção de Deus!
José depois de ponderar, pensar mais a respeito, mudou, aceitou Maria e constituiu família com ela e com seu bebê que estava a caminho.

3.    Perdoe
Imagine comigo…
Todas as vezes que Jesus ainda menino fizesse uma traquinagem José ficasse pensando: Eu deveria ter fugido, abandonado Maria e deixado ela sozinho com esta menino…
Irmãos, o perdão nos dá a oportunidade da segunda chance, de aprender com os erros, de apoiar alguém mais fraco, de ver um grande milagre…
Perdoe sempre!!! Perdoe tudo!!! Perdoe quantas vezes for necessário, para que seu relacionamento com Deus não seja comprometido! Não importa quem feriu primeiro, o que importa é que você construiu uma ponte.

4.    Evangelize, anuncie o nascimento de Jesus
Fale para seu vizinho, fale do amor de Deus aos seus colegas, dê seu testemunho a respeito daquele milagre que o Senhor fez em sua vida ou em alguém da sua família.
Querido irmão, muitos são chamados a servir ao Senhor e a fazer a sua vontade, e independente de qual for o chamado (evangelizar, proclamar a palavra, consolar, cuidar ou ser um arauto do Senhor) muitas vezes o coração vai dizer sim e as pernas vão dizer não.

Cuidado com as desculpas, pois elas surgem como folhas embaladas pelo vento do outono.  “Essa não é a minha área.” “É hora de outro tomar a responsabilidade.” “Não agora. Faço isso amanhã”.

José foi chamado a ser o Pai de Jesus aqui na terra. Que honra!!! E mesmo assim ele ponderou, agiu com bom censo, usou de autodefesa e conveniência porque queria proteger seu orgulho. Mas, eventualmente, você acaba contemplando uma árvore nua e uma escolha difícil: A vontade dele ou a sua?

José escolheu a dele. Afinal de contas, era realmente a única opção. José sabia que a única coisa pior do que uma aventura no desconhecido era a idéia de negar seu Mestre. Resoluto então, ele agarrou o ramo menor. Com os lábios apertados e um olhar decidido, colocou uma mão na frente da outra até que ficou balançando no ar com apenas a sua fé em Deus como uma rede protetora.
Conforme o desenrolar dos acontecimentos, os temores de José foram justificados. A vida não se mostrou mais tão confortável quanto antes. O galho que agarrou era de fato bem fino: o Messias deveria nascer de Maria e ser criado em sua casa.
Ele teve de empurrar as ovelhas e limpar o chão sujo para que sua mulher tivesse um lugar para dar à luz. Ele se tornou um fugitivo da lei. Passou dois anos tentando aprender egípcio. Houve ocasiões em que esse ramo deve ter balançado furiosamente ao sabor do vento. Mas José apenas fechou os olhos e continuou firme.

Conclusão:
Você pode estar, no entanto, certo de uma coisa. Ele jamais se arrependeu. A recompensa de sua coragem foi doce. Um só olhar para a face celestial daquela criança e ele teria feito tudo de novo num momento.
Você já foi chamado a aventurar-se por Deus?
Fique certo de que não vai ser fácil. Subir em galhos nunca foi fácil. Pergunte a José. Ou, melhor ainda, pergunte a Jesus.
Ele sabe melhor do que ninguém quanto custa ser pendurado num madeiro.
É assim que Jesus e o Espírito Santo operam. Isto não é maravilhoso? José e Maria aceitaram as palavras de Deus e Jesus nasceu.

Acesse a página  MENSAGENS para ler outros artigos, estudos e mensagens. Temos muito conteúdo para você conhecer mais sobre a Palavra de Deus.

Aniversariantes:
SETEMBRO:
02/09 - Diego
02/09 - Fernanda
08/09 - Fran
13/09 - Simone Jéssica
13/09 - Josefina
20/09 - Carlos Roberto
21/09 - Valdi
21/09 - William B.
22/09 - Silmara
26/09 - Boniek

DATAS COMEMORATIVAS:
07/09 - Independência do Brasil
15/09 - Aniversário de Ponta Grossa
Estatísticas do site:
Site criado em 23/02/2007.

Ano de 2017:
114.003 visitas
Visitantes hoje: 74
Usuários Online: 0
Seu IP: 3.84.186.122