Get Adobe Flash player
Nosso Endereço:
Rua Riachuelo, 693 - Ponta Grossa - Pr
Telefone: (42) 3224-1632
E-mail: recados@iecdpg.org.br
Localize no Google Maps
Assine por e-mail:

Digite seu endereço de email para assinar este site e receber notificações de novas publicações por email.

Pedido de Oração:
Pedidos de Oração
Previsão do tempo:
Arquivo

A Última Ceia

(Mateus 26.26-30)

Pr. Jacson Irio Andrioli

É o fim de semana mais significante na história do mundo. Uma semana de momentos finais. A última ceia entre Jesus e os discípulos. A última vez que Jesus ora no jardim. O confronto conclusivo com os inimigos. E o encontro final com a dor.
Surge uma sucessão de acontecimentos que culminam na crucificação de Jesus. Alguns detalhes importantes precisam ser lembrados. Perceba que Jesus é a pessoa por traz de tudo, nos preparativos da Ceia.


(V. 17 e 18) Foi Jesus quem selecionou o lugar; quem designou o tempo; quem determinou a ordem da refeição.
Na Ceia, Jesus não é o convidado, mas o anfitrião. “E [Jesus] deu aos discípulos.” Perceba os verbos logo no primeiro versículo: “ele tomou…ele abençoou…ele partiu…ele deu….”, esta é a mensagem: Jesus não é o servido, e sim, o servo.
Foi Jesus que durante a ceia vestiu o traje de um servo e lavou os pés dos discípulos. Conforme João 13.5,  Jesus é o mais ativo à mesa. Jesus não é retratado como o que recebe, mas como o que está de pé e dá.
Ele ainda faz. A Ceia do Senhor é um presente a você. A Ceia do Senhor é um sacramento (um presente de Deus ao seu Povo), não um sacrifício (um presente dos homens para Deus).
Nós pensamos na Ceia como uma performance, um momento quando nós estamos no centro do palco e Deus é o espectador. Uma cerimônia na qual nós fazemos o trabalho e ele fica assistindo. Não era para ser assim. Se fosse, Jesus teria tomado um lugar para sentar e relaxar.
(Durante a Ceia existem momentos sacrificiais. Nós oferecemos orações, confissões e ações de graças como sacrifício. Mas eles são sacrifícios de ação de graças por uma salvação já recebida, não sacrifícios de serviço para uma salvação ainda desejada. Nós não dizemos, “Olha o que eu fiz.” Ao contrário, em temor, nós olhamos para Deus e adoramos o que ele fez.)
Jesus cumpriu seu papel como um rabino, guiando seus discípulos na comemoração da Páscoa. Ele cumpriu o papel dele como um servo lavando os pés deles. E ele cumpriu o papel dele como um Salvador lhes concedendo perdão de pecados.
Jesus tomou conta, estava tudo sobre o seu controle. Ele ficou no meio do palco. Ele era a pessoa por trás e por dentro do momento. E ele ainda é.
É à mesa do Senhor que você senta. É a Ceia do Senhor que você toma. Da mesma maneira que Jesus rogou pelos discípulos, Jesus implora a Deus por nós.
“Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.” Romanos 8.34
Quando você é chamado à mesa, pode ser que um emissário dá a carta, mas é Jesus que a escreveu.
Na última Ceia vemos uma demonstração ousada de poder divino. O Salvador enterrado libertado para uma sagrada explosão. O que era um sepulcro agora é um símbolo… marcando a maior vitória na batalha mais crucial.
Uma semana de momentos finais. Uma semana de términos. Ou, será que é do começo…?

Quero ler para vocês partes de um livro de Max Lucado:
É quase meia-noite quando eles deixam o cenáculo e descem pelas ruas da cidade. Eles passam pelo Tanque Inferior e passam pelo Portão da Fonte, saindo de Jerusalém. As estradas estão forradas com os fogos e barracas de peregrinos da Páscoa. A maioria está dormindo, fartos com a refeição da noite. Aqueles ainda acordados não dão importância ao bando de homens que caminham pela estrada calcária.
Eles atravessam o vale e sobem o caminho que os levará a Getsêmani. A estrada é íngreme e eles param para descansar. Em algum lugar dentro das muralhas da cidade o décimo segundo apóstolo desce sorrateiramente uma rua. Os pés dele foram lavados pelo homem que ele trairá. O coração dele foi tomado pelo Maligno que ele ouviu. Ele corre para encontrar Caifás.
O encontro final da batalha começou.
O inferno está se soltando.
A história registra isso como a batalha dos judeus contra Jesus. Não era. Era uma batalha de Deus contra Satanás.
E Jesus sabia disso. Jesus sabia que antes que a guerra acabasse, ele seria levado cativo.
Ele sabia que antes da vitória viria a derrota.
Ele sabia que antes do trono viria o cálice.
Ele sabia que antes da luz de domingo viria a escuridão de sexta-feira.
E ele tem medo.
Ele vira e começa a subida final até o jardim. Quando ele chega à entrada, ele pára e volta os olhos para o círculo de seus amigos. Será a última vez que ele os vê, antes deles o abandonarem. Ele sabe o que farão quando os soldados vierem. Ele sabe que até a traição deles falta poucos minutos.
Mas ele não acusa. Ele não dá carão. Ao invés disso, ele ora. Os últimos momentos dele com os seus discípulos são em oração. E as palavras que ele fala são tão eternas quanto às estrelas que as ouvem.
Imagine, por um momento, você mesmo nesta situação. Sua hora final com um filho prestes a ser enviado para uma terra distante. Seus últimos momentos com seu cônjuge que está morrendo. Uma última visita com seu pai. O que você diz? O que você faz? Que palavras você escolhe?
É notável que Jesus decidiu orar. Ele decidiu orar por nós. “Eu não estou orando somente por eles, mas também por aqueles que ainda vão acreditar em mim por intermédio do ensino deles, para que todos sejam um só. Pai, oro também para que eles estejam em nós, assim como eu estou no senhor e o senhor está em mim. Que eles sejam um para que o mundo acredite que o senhor me enviou.” (www.iluminalma.com)

Além disso foi cruelmente açoitado e colocaram nele uma coroa de espinhos! Foi pregado na cruz, onde sofreu ainda mais para, afinal ensanguentado e em estado de completa exaustão, exclamar declarando sua alegria pelo cumprimento de sua missão! É possível?
Jesus nos diz: O preço de seus pecados já foi pago! Agora creiam em mim e no que fiz por vocês para que sejam livres e desfrutem da graça de Deus! Está consumado! (Pão Diário – 2012)
Após concluída esta tarefa Ele curva a cabeça e entrega o Espírito, numa demonstração de que sua parte estava feita e agora poderia descansar…
Que amor maravilhoso, imenso e imensurável!!!

Você tem consciência que Jesus orou por você?
Você consegue perceber que Ele nos serviu com sua vida, e hoje celebramos a Ceia diante dos elementos desta entrega, o Corpo, simbolizado pelo Pão e o Sangue simbolizado pelo Suco de Uva.
Pão e Vinho significam muito mais que uma simples refeição, significam vida e salvação.
Você crê nisso?!!!

Aniversariantes:
MAIO:
02/05 - Rose
07/05 - Bertha
15/05 - Calebe
16/05 - Beatriz J.
17/05 - Ernesto
23/05 - Igor
25/05 - D. Margarida
26/05 - Eduarda
27/05 - Vanilda
28/05 - Karen
28/05 - Lucas
28/05 - Leandro

DATAS COMEMORATIVAS:
01/05 - Dia do Trabalhador
12/05 - Dia das Mães
Estatísticas do site:
Site criado em 23/02/2007.

Ano de 2017:
114.003 visitas
Visitantes hoje: 39
Usuários Online: 2
Seu IP: 54.146.98.143